Zampieri Imóveis

Na era da economia compartilhada e com a popularização de aplicativos como o Airbnb, tornou-se comum a locação de temporada no mercado de imóveis residenciais.  De um lado, proprietários conseguem uma renda extra de forma rápida e desburocratizada. Do outro, viajantes podem usufruir da comodidade de se hospedar em casas ou apartamentos confortáveis por um preço bem mais em conta daquele cobrado em hotéis e pousadas.

O problema nessa relação, que parece à primeira vista benéfica para ambos os lados, é que ela também inclui uma terceira parte: os vizinhos do imóvel locado. E no caso de condomínios residenciais, onde as áreas comuns são sempre compartilhadas, a incompatibilidade de interesses pode ser ainda maior.

A queixa é de que os “visitantes” se utilizam de espaços como piscina, salões de festa e garagens sem respeitar as regras condominiais.

Mas o que diz a lei?

De acordo com especialistas na área do Direito Imobiliário, se a regra da proibição da locação de curta temporada nascer com o condomínio, não há violação alguma ao direito de propriedade, pois, ao ingressar no empreendimento, o condômino estará automaticamente concordando com as regras nele existentes.

Veja o que diz a lei 8.245, de 18 de outubro de 1991, modificada em parte pela lei 12.112, de 9 de dezembro de 2009:

Artigo 48 – “Locação por temporada”

Locação por temporada é aquela destinada à residência temporária do locatário, à prática de lazer, realização de cursos, tratamento de saúde, feitura de obras em seu imóvel, e outros fatores que decorrem tão somente de determinado tempo;

O prazo não pode ser superior a 90 (noventa) dias, estando ou não mobiliado o imóvel. Existe a impossibilidade de prorrogação.

Para advogados especialistas em questões condominiais, a locação por meio de um site comercial por si só não infringe a lei de locações. Ou seja, é licito ao proprietário emprestar a sua unidade, ocupá-la pelo número de pessoas que julgar conveniente, seja a título gratuito ou oneroso, não cabendo ao condomínio regular tal prática, salvo se a mesma estiver interferindo na rotina do prédio, ou seja, causando perturbação ao sossego, saúde, segurança, aos bons costumes, ou estiver desviando a finalidade do prédio.

No entanto, como a linha entre locação por temporada e hospedagem (que é regida por uma lei específica) é tênue, o mais indicado é avaliar caso por caso, pois uma locação por temporada pode ou não caracterizar o uso comercial do imóvel, a depender das circunstâncias.

Leia também no blog da Zampieri Imóveis: as vantagens de comprar um imóvel na praia.

Zampieri Imóveis

Este artigo foi produzido pela Zampieri Imóveis. Gostou? Compartilhe suas sugestões e dicas, nossos consultores vão adorar conversar com você. Deixe seu comentário abaixo!

Alugar com a imobiliária ou direto com o proprietário?
13 fev
Locação de Imóveis

Alugar com a imobiliária ou direto com o proprietário?

Quem já teve que alugar imóvel uma vez na vida com certeza já se fez essa pergunta: “alugo com o […]

leia mais
4 vantagens de deixar seu imóvel para uma imobiliária administrar
16 jan
Locação de Imóveis Venda de Imóveis

4 vantagens de deixar seu imóvel para uma imobiliária administrar

Muitos proprietários que possuem imóveis com o objetivo de alugar, ainda têm dúvidas se é melhor realizar a locação por […]

leia mais