A economia mudou e a tendência de retomada de crescimento também reflete sinais positivos no mercado imobiliário. Este ano promete ser de virada para o setor.

Impulsionada por ações específicas direcionadas ao segmento ainda em 2018, como a regulamentação dos distratos e reduções da Taxa Selic (que influenciam sucessivamente a linhas de crédito de financiamento), o mercado imobiliário já define este novo período como o da oportunidade de bons negócios.

O fim da polêmica dos distratos foi vista como um marco regulatório do setor imobiliário e muito comemorada pelo empresariado da construção civil por tornar o ambiente mais seguro juridicamente.

Para o presidente do Sinduscon de São Paulo, Odair Senra, a regulamentação põe fim a um período de incertezas jurídicas.

“Estamos saindo de um grande período de mais de quatro anos de mercado muito parado e de um ambiente de muitos distratos de aquisição de imóveis”.

E, após um cenário de quedas consecutivas na produção imobiliária, o pensamento consoante do setor já faz projeção positiva de crescimento.

“Com a esperança de crescimento da economia, principalmente com a reforma da Previdência, a expectativa do mercado imobiliário e de construção é muito boa; existe uma demanda reprimida de potenciais compradores de imóveis e de investidores no setor”.

Senra também acredita que impulsionando uma política econômica que favoreça os investimentos e a expansão do emprego o governo pode alavancar o mercado.

“Com o PIB crescente, haverá a retomada de empregos e, consequentemente, de renda, fator fundamental para a retomada do mercado imobiliário”.

E, como em 2018, o programa habitacional do Governo Federal ainda é tendência para fomentar o crescimento do segmento.

“Os produtos do Programa Minha Casa, Minha Vida continuarão a ter grande demanda. E produtos residenciais tanto para moradia como para investimento (locação) terão também muito espaço nas grandes cidades”.